Hoje em dia, é possível encontrar centenas de artigos online que descrevem a melhor forma de se elaborar um Curriculum Vitae. Dão-se dicas “milagrosas” para escrever o CV mais apelativo, tudo com vista a garantir aquela vaga tão difícil. Na SMARTIDIOM, entendemos que os modelos mais tradicionais nem sempre são a melhor resposta quando pretende candidatar-se a uma vaga na nossa empresa, precisamente por conterem muita informação acessória e não incluírem a informação efetivamente necessária. Por isso, tome nota dos erros mais comuns e que deve evitar:

 

1. Não mencionar a língua nativa 

Um dos erros mais comuns que detetamos em muitos currículos recebidos é o facto de não mencionarem a língua nativa. Apesar de parecer uma informação demasiado óbvia, a verdade é que nem sempre estas informações são referidas claramente, o que obriga a que a equipa de recrutamento demore algum tempo a analisar o CV para perceber qual a língua nativa, isto se, as informações colocadas no CV forem suficientes para determinarem uma conclusão precisa.

 

2. Não indicar a variante da língua em que é nativo

Outro elemento importante é indicar a variante da língua. Como sabemos, um mesmo idioma pode ter diversas variantes e, por isso, é fundamental que nos indique por exemplo, se é nativo em Português do Brasil ou em Português Europeu.

 

3. Não referir as línguas de partida das quais traduz

Não se esqueça de mencionar as línguas de partida das quais traduz e, se possível, indique também o grau de conhecimento de cada uma.

 

4. Não indicar as suas áreas de especialização

A indicação da área de especialização é um ponto fundamental do seu currículo. Como sabemos, todos os profissionais têm áreas de especialização diferentes e um tradutor da área médica não tem de ser especialista em traduções de conteúdos de software, uma vez que não estará familiarizado com terminologia mais técnica desta área. Além disso, a área de especialização pode ser uma forma de diferenciar o seu currículo dos restantes. Imaginando, por exemplo, que tem como área de especialização Engenharia Nuclear, esta indicação no seu CV poderá ser fundamental para captar a atenção da pessoa que está a analisar a sua candidatura. Se não indicar essa área no seu CV, não teremos acesso a essa informação e não o contactaremos para colaborar connosco num projeto mais específico.

 

5. Não enumerar as CAT tools com que trabalha

Nos dias que correm, a maioria dos nossos projetos são realizados com recurso a softwares de auxílio à tradução que vieram facilitar grandemente o trabalho do tradutor. Enumere, por isso, todas as ferramentas que utiliza. Mais uma vez, poderemos procurar um recurso com conhecimentos num determinado software para a realização de um projeto mais específico.

 

6. Não indicar o país onde reside

Indicar o país onde reside é fundamental, uma vez que, dessa forma, temos conhecimento do fuso horário no qual está disponível para trabalhar. Há muitos projetos que implicam que o colaborador trabalhe num determinado fuso horário devido, por exemplo, à data ou horário de entrega do projeto. Por isso, lembre-se de que indicar o país onde reside pode determinar se é ou não contactado para um determinado projeto.

 

7. Não referir os serviços que oferece e a sua experiência enquanto profissional

Não queremos que descreva minuciosamente todos os projetos em que já participou, mas é essencial que faça uma breve descrição sobre a sua experiência enquanto profissional. Poderá inclusive mencionar os anos de experiência e destacar alguns clientes ou parceiros de forma a dar ainda mais credibilidade ao seu CV, mostrando que outros já confiam na sua experiência enquanto profissional.

 

8. Não nos apresentar referências profissionais que possamos contactar

Além da informação sobre a experiência profissional, é importante que nos indique referências profissionais que possamos contactar, de modo a podermos tentar saber mais sobre a informação apresentada do currículo.

 

9. Não mencionar as suas habilitações literárias

Não se esqueça de mencionar as suas habilitações literárias. Para nós, é importante cumprir pelo menos um dos seguintes requisitos:

– Ter concluído com aproveitamento um curso superior de Tradução;

– Ter concluído com aproveitamento um curso superior noutra área e contar com 2 anos de experiência em regime full-time em Tradução;

– Ter 5 anos de experiência em regime full-time em Tradução, se não tiver concluído com aproveitamento nenhum curso superior.

 

10. Não indicar as suas tarifas

A indicação das tarifas é um ponto que não deve ser esquecido por si. As tarifas variam bastante de profissional para profissional e este será um elemento decisivo na hora de selecionar um determinado profissional. Tentaremos garantir sempre a melhor relação entre qualidade de trabalho e equilíbrio orçamental nos nossos projetos.

 

Estes são os erros que mais se destacam nos currículos que recebemos diariamente. Sabemos que, por vezes, é difícil colocar toda a experiência adquirida durante anos de trabalho num espaço tão reduzido, mas deixamos algumas dicas que podem simplificar essa tarefa e aumentar as suas hipóteses de ser contactado por nós.

 

Existem outras formas de dar destaque ao seu CV? Acredita num modelo de CV ideal? O que o torna a pessoa certa para trabalhar na SMARTIDIOM? Estamos à espera do seu feedback.